Psycomania Life Coaching

Aprenda a Ter Paz Interior

Paz Interior. O desejo da maior parte da população. Um sonho aparentemente inalcançável. O tema de hoje é disparado, o que a maioria das pessoas procura em suas vidas e afirmo que para isso, precisamos apenas de treino e claro, força de vontade. O autoconhecimento, sempre vai ser a melhor maneira de atingirmos qualquer objetivo, porque quanto mais eu me conheço, mais atento estou a meus pensamentos e ações e assim, jogando luz nas minhas sombras, posso transforma-las em algo iluminado e mutável. Se você quer saber como se sentir em paz, vem comigo.

Antes de começarmos, a definição de paz interior pode ser relativa para cada pessoa, mas no entendimento comum, nada mais é do que ter harmonia e nos sentirmos bem, independente das batalhas, dos problemas e dificuldades do dia-a-dia. A maneira como eu encaro a vida é que vai permitir que eu tenha paz interior em todos os momentos. Por isso, novamente, quanto mais eu me conheço, mais fácil fica. Eu preciso ter consciência de como eu funciono para poder então, relaxar e controlar a minha mente, para que ela possa responder como eu preciso que seja e não como ela está habituada a fazer no automático. Feito isso, vamos às dicas de ouro:

1. Entenda e aceite que todos somos diferentes
A maioria dos nossos problemas, se não todos, acontecem porque olhamos o mundo, esperando que o mundo seja, pense, fale e atue como nós. Não fazemos isso de propósito. É automático. Não passa de um comportamento extremamente racional para o nosso cérebro, afinal, sobrevivemos à vida, agindo exatamente como somos, logo, quem for diferente está errado e corre riscos. Somos levados a criticar e a alterar a maneira como o outro vive e se nos colocarmos no lado da outra pessoa, ela estará pensando como nós e então teremos uma bela guerra de poderes. Precisamos ter muito cuidado com isso e para aliviar a pressão, devemos deixar que os outros tomem suas decisões da maneira que acharem melhor. Cada um com a sua responsabilidade e assim, como você, cada pessoa tem suas razões para serem como são. Nesse caso, a tolerância é um princípio básico para a paz interior.

2. Perdoe e esqueça
Quando alguém nos magoa, temos a incrível mania de armazenar e relembrar a situação ruim na qual passamos. Mesmo que tenhamos decidido honradamente perdoar, basta um pequeno tropeção e nosso HD de mágoas, passa a funcionar e jogamos na cara daquela pessoa, tudo que ela nos fez, afinal, somos os feridos. Quanto mais alimento dermos ao monstro da mágoa, mais forte ele fica e ele vai começar a devorar seu corpo por dentro: insônia, ulcera, pressão alta, enxaquecas, câncer e por aí vai. O passado, não pode ser alterado. Ponto final mesmo. Não há nada que você ou a pessoa que te magoou, façam ou falem, que vai trazer o alivio mágico que você precisa sentir para se libertar. Esse alívio, só virá a partir do momento que você escolher conscientemente, entender que as razões pela qual o outro decidiu tomar atitudes, as quais você acreditou que fossem única e exclusivamente para te ferir, sem levar em consideração o item acima, que cada um tem suas próprias razões para fazer as coisas que fazem e que estão intimamente ligadas à outra pessoa e não a você. Exemplo: uma traição: a pessoa pode ter passado por uma bela crise existencial e isso não tem nada a ver com você, inclusive, não mesmo, porque ela nem pensou em você antes de fazer isso. O que você vai fazer em relação a isso, baseado nas suas crenças, valores e desejos, é uma outra coisa. Mas entender que o que os outros fazem, são os outros que fazem e que muitas vezes, não estamos nem incluídos em seus pensamentos, é como devemos encarar o perdão. Pare de carregar o peso de atitudes que você não tomou. A dor, a vergonha, o sentimento de inferioridade nesse caso, são apenas do outro e você está carregando como se fossem seus. Portanto, perdoe de verdade (utilizando o raciocínio) e esqueça de vez (não alimente a mágoa de jeito nenhum). Nesse caso, quando temos esse tipo de dificuldade, nosso ego e orgulho, estão dominando nossos pensamentos. Coloque luz neles (ou seja, se enxergue de verdade, veja quais os sentimentos você está tendo de verdade) e eles se acalmarão.

3. Não espere reconhecimento
Sim, todos os itens para atingir a paz interior, estão conectados ao primeiro item. No fundo, ele é a origem de todos os nossos problemas. Quando fazemos alguma coisa, esperamos que o outro se disponibilize para nos reconhecer. Geralmente quem tem mais facilidade para reconhecer os outros, cobra muito mais das outras pessoas uma atitude semelhante à sua. Lembrem-se sempre que a outra pessoa está vivendo a vida dela, na cabeça dela, com as coisas dela e nem todos conseguem deixar esse princípio automático, a ponto de parar isso por alguns instantes e reconhecer algum esforço seu. Você tem que ter a consciência de que, a sua própria satisfação com as suas coisas, é o necessário para se afirmar, se elogiar, se criticar e se orgulhar daquilo que você fez. De fato, se analisarmos com uma lupa, o que o outro diz não muda muito o que achamos sobre o que fizemos, apenas vai reforçar positiva ou negativamente. Então, para que esperar tanto do outro, se o seu próprio julgamento sobre suas tarefas é o que realmente importa?

4. Aceite o que não pode mudar
Resiliência: é a capacidade de voltar ao seu estado natural após alguma situação fora do comum. O ser humano é por natureza, controlador. Sim, queremos controlar e ter a certeza de que nada vai fugir deste controle. Traçamos um plano e nada pode sair dos trilhos, porque senão já nos desestabilizamos. Queremos até controlar como uma outra pessoa pensa. E qual a única realidade do ser humano? A vulnerabilidade, ou seja, não sabemos nunca o que vai acontecer. Vocês conseguem ver a armadilha na qual vivemos diariamente? Se eu nunca sei o que vai acontecer nos próximos segundos, o que eu quero controlar exatamente? Situações controversas, pessoas diferentes, planos desfeitos vão acontecer o tempo todo. Precisamos de uma vez por todas, aceitar que o único controle que temos, de fato, é o da nossa mente. E essa é a única coisa que dizemos: não consigo controlar o que eu penso, o que eu sinto, o que eu vejo. Sim, você consegue sim e é a única coisa que você pode controlar de verdade. Cultive a paciência e os pensamentos positivos. Entenda que coisas acontecerão, que você só poderá solucioná-las quando acontecerem (se puder) e após isso, você deve retornar ao seu estado normal. Não cultivem a frustração, a raiva, o ódio, a mágoa, a tristeza. As coisas que aconteceram não podem ser mudadas. Aceite com resiliência.

5. Medite regularmente
A meditação tem papel fundamental na nossa vida. As pessoas ainda não entenderam que para nos sentirmos melhor com a vida, precisamos de autoconhecimento. Dizemos que o problema está no outro, na vida, no trabalho, nos pais, na criação, no dinheiro, na politica, no amigo, no chefe, no colega do lado, no filho, etc... A meditação permite que aquietemos a nossa mente (tenhamos o controle), reconheçamos nossa maneira de pensar e agir, e sendo assim, é a única possibilidade de mudança real e efetiva na vida. Se eu não vejo como eu sou, eu não mudo absolutamente nada. 30 minutos diários de meditação, vão fortalecer a sua mente e te preparar para encarar a vida com muito mais tranquilidade, garantindo assim, a tão almejada paz interior.

O meu programa de Life Coaching, te ajuda a reconhecer e praticar todos os itens acima. Uma força extra para quem deseja eliminar de uma vez por todas o sofrimento, as dores, os traumas, mágoas e qualquer outro sentimento ruim. Acredite que você pode ser feliz, que merece uma vida com paz e harmonia, que seus sonhos podem ser realizados e que tudo isso, só precisa de um pequeno movimento seu, sua coragem. Agende sua primeira consulta totalmente gratuita, vamos bater um papo e lembre-se todos os dias, a sua vida é agora. Liberte-se.
 
 

Por Priscila Marchi | 21/07/2017